19 de julho de 2024

Veja o perfil dos suspeitos de mandar matar Marielle Franco

Por: Valdir Justino

Chiquinho Brazão, Domingos Brazão e Rivaldo Barbosa Fotos: Zeca Ribeiro/Câmara dos Deputados // Ruano Carneiro/ Alerj // Fernando Frazão/Agência Brasil

A Polícia Federal prendeu, na manhã deste domingo (24), o deputado Chiquinho Brazão, seu irmão Domingos, conselheiro do Tribunal de Contas do Estado do Rio de Janeiro, e o ex-chefe de Polícia Civil do Rio Rivaldo Barbosa, em investigação sobre a “autoria intelectual” dos assassinatos da vereadora Marielle Franco e do motorista Anderson Gomes, além de crimes de organização criminosa e obstrução de Justiça. As prisões integram a Operação Murder Inc., que ainda vasculha 12 endereços do Rio de Janeiro, por ordem do Supremo Tribunal Federal (STF).

Chiquinho Brazão foi vereador do Rio de Janeiro por quatro mandatos, o último deles coincidindo com o de Marielle Franco, entre 2017 e a morte da vereadora, em março de 2018. Ele foi eleito deputado federal pelo Avante nas eleições 2022, sendo que se licenciou, no final do ano passado, para atuar como secretário municipal de ação comunitária no Rio. A passagem foi curta e se encerrou em fevereiro.

O nome de Chiquinho apareceu nas investigações em razão da delação de Ronnie Lessa, ex-policial militar acusado de ser o executor dos disparos que alvejaram Marielle e Anderson. O acordo foi homologado nesta semana pelo ministro Alexandre de Moraes, do STF. Foi a citação a Chiquinho que levou à remessa do caso para a Corte máxima. Antes, o inquérito já havia sido remetido ao Superior Tribunal de Justiça, em razão da menção de Domingos Brazão, conselheiro do TCE-RJ.

Domingos Brazão foi alçado ao Tribunal de Contas do Estado em 2015, mas antes foi deputado estadual, ocupando uma cadeira na Assembleia Legislativa do Rio de 1999 até sua entrada na Corte. A citação do nome de Domingos no inquérito sobre os assassinatos de Marielle e Anderson não é nova, uma vez que em 2019 ele foi apontado como o “principal suspeito de ser autor intelectual” das mortes, mas sempre negou participação no crime.

O conselheiro ganhou mais espaço sob os holofotes quando a ex-procuradora-geral da República Raquel Dodge pediu a federalização do caso Marielle e Anderson em 2019, denunciando o conselheiro por obstrução de Justiça. O pedido no entanto foi negado, mas a Procuradoria-Geral da República já narrava como Domingos teria se aliado a funcionários de seu gabinete, uma advogada e um delegado da PF para fazer investigações em âmbito estadual “passarem longe dos reais autores do crime”.

O reduto político da família Brazão é Jacarepaguá, na Zona Oeste do Rio. A região é dominada por milícias. Domingos já admitiu ter matado um homem em 1987. O processo ficou parado, subiu para o Tribunal de Justiça em 2000 (depois que se tornou deputado estadual). Em 2002, a Corte Especial rejeitou a condenação.

Rivaldo Barbosa é delegado e foi empossado chefe da Polícia Civil do Estado do Rio no dia 13 de março de 2018, um dia antes da execução de Marielle. O convite para o cargo foi feito pelo então interventor federal do Rio, general Walter Braga Netto, que depois seria ministro da Defesa e da Casa Civil.

Barbosa deixou a chefia da Polícia Civil em janeiro de 2019, após a posse do então governador Wilson Witzel. Graduado em Direito, Barbosa também ocupou o comando da Direção de Homicídios.

*AE

COMPARTILHE ESSA NOTÍCIA:

Facebook
Twitter
LinkedIn