24 de junho de 2024

O Senado já criminalizou o porte e a posse de drogas. Agora, cabe à Câmara fazer o mesmo

Por: Valdir Justino

Placar da PEC das Drogas no Senado Foto: Waldemir Barreto/Agência Senado

No último dia 16 de abril, o Senado Federal aprovou em dois turnos a PEC 45/2019 que criminaliza a posse e o porte de qualquer quantidade de drogas. Eu estava no Plenário do Senado acompanhando e trabalhando junto aos senadores pela aprovação dessa Proposta de Emenda Constitucional (PEC) e vibrei com o resultado.

Nas horas e dias seguintes, acompanhei pela mídia inúmeras manifestações de “especialistas” criticando a aprovação da PEC. Alguns desses “especialistas” estavam visivelmente contrariados e tecendo críticas ácidas contra os resultados das votações, chamando de retrocesso, que nenhum país realmente democrático tem esse tipo de criminalização em sua Constituição e que criminalizar doentes não é admissível e blá-blá-blá…

Um dos “especialistas” elogiou o Supremo Tribunal Federal (STF) que está votando a liberação do porte de drogas para uso pessoal e elogiou nominalmente o ministro Alexandre de Moraes por ter em seu voto sido favorável a discriminalizar o porte e, inclusive, permitir que possa se portar até seis plantas fêmeas (será que na grade curricular de formação de policiais terão os alunos aulas de noções de botânica?).

Agora a PEC 45/2023 vai para a Câmara e espero que o presidente da casa, Arthur Lira, a paute com brevidade.

Atento a todos os fatos referentes a esse assunto: no início deste final de semana, assisti a uma matéria sobre cigarros eletrônicos, os chamados vapers. Na última sexta-feira (19), a ANVISA, por unanimidade, manteve a proibição de comércio e propaganda de cigarros eletrônicos no Brasil. A manutenção da proibição ganhou destaque em jornais televisivos de grandes audiências. Na justificativa de seus votos os membros da ANVISA foram quase unânimes em afirmar o mal que esse produto causa para a saúde das pessoas que o consomem. Citaram que em países onde o cigarro eletrônico foi liberado, o consumo entre os jovens aumentou.

Leia de novo, por favor: ao justificarem seus votos os membros da ANVISA alegaram que a liberação desses produtos (vapers) aumentou o consumo. Isso mesmo. Nenhum dos usuários de cigarros eletrônicos foi chamado de doente, mas foi mostrado que o uso desse produto causa doenças graves.

Veja, por que fiz a comparação entre as críticas pela aprovação da PEC 45/2023 e a euforia com a manutenção da proibição do comércio de cigarros eletrônicos? Simplesmente para desnudar a hipocrisia de pessoas que são a favor da liberação das drogas. São hipócritas demais!

A liberação das drogas é bandeira da esquerda e essa bandeira é encampada pelos tais “especialistas” e por grande parte das redes de televisão e imprensa em geral. Cigarros eletrônicos devem ser proibidos e o crack, cocaína, e a tal maconha são usadas por doentes e devem ser liberadas? Você que fuma um baseado e cheira um pozinho é doente. No meu tempo, a gente chamava de sem vergonha mesmo.

A velha conversa fiada de que usuários de drogas só prejudicam a si mesmos é outra baboseira. Um piloto de moto que não use capacete ou um condutor de automóvel que não use cinto, teoricamente, também só prejudicariam a si mesmos com sua atitude; e, no entanto, se flagrados, serão punidos. Então, lutar pela liberação de drogas mostra o quão hipócritas as pessoas podem ser. Libera-se o porte e a posse e muitos ficarão à vontade para enriquecerem ainda mais os traficantes.

A única coisa que pode inibir um tonto de usar drogas é a repressão policial e as chances dele ser flagrado e detido. E insistem em querer liberar, descriminalizar. Governo de esquerda, STF apinhado de ministros indicados por governantes de esquerda. Socorro! Fujam para as montanhas! Congresso Nacional, mostre a sua cara ou assistirá de camarote a queda da nossa Nação.

Por: Sargento Fahur

COMPARTILHE ESSA NOTÍCIA:

Facebook
Twitter
LinkedIn

Siga-nos nas nossas redes!