12 de julho de 2024

É preciso questionar o governo e suas ações na segurança pública

Por: Valdir Justino

Deputado Marco Feliciano Foto: Zeca Ribeiro / Câmara dos Deputados

As obrigações de um parlamentar incluem vigilância aos atos do governo, ao qual nos cabe fiscalizar. Desta vez, estou pedindo à mesa da Câmara dos Deputados para que questione as intenções obscuras do governo federal, no que tange à delicada área da segurança pública.

Faço isso, porque alega o senhor ministro da Justiça e Segurança Pública, Ricardo Lewandowski, que a União não tem os instrumentos constitucionais e legais para enfrentar a criminalidade e que não seria possível continuar com uma divisão de atribuições específicas entre as forças de segurança.

Ora, se a Constituição de 1988 veio à existência, após duas décadas de governo militar durante as quais os comandos das polícias militares eram escolhidos pelo ministro da Justiça do governo militar da época, o que caracterizava um comando centralizado, digno de governos fortes que fazem tudo para manter controle com mão de ferro das oposições, tudo o que não queremos para nosso país é isso, agora, quando atravessa momentos delicados de instabilidade política constitucional. Portanto, ensejemos esforços para evitar arroubos autoritários de autoridades que já declararam ser “comunistas graças a Deus”.

Para que não vinguem essas pretensões autoritárias do governo petista, precisa de maioria no Congresso, o que eles não têm e para isso tentam ganhar no grito; portanto, vigiemos para que não consigam reverter leis que protegem a sociedade e a democracia. Se quiserem mudanças que se afinem com suas pretensões, consigam uma maioria para convocarem uma Assembleia Constituinte, sonho de todos os ditadores do Foro de São Paulo.

Finalizo pedindo a Deus que nos proteja do totalitarismo. E que Ele derrame as mais escolhidas bênçãos celestiais a todo o povo brasileiro.

Por: Marco Feliciano

COMPARTILHE ESSA NOTÍCIA:

Facebook
Twitter
LinkedIn