14 de julho de 2024

Maioria dos brasileiros acredita que STF “incentiva a corrupção”

Por: Valdir Justino

De acordo com pesquisa do Instituto Quaest para a Genial Investimentos, 74% dos brasileiros acreditam que o Supremo Tribunal Federal (STF) incentiva a corrupção ao anular punições da Operação Lava Jato a empresas.

A força-tarefa da Polícia Federal (PF) da Lava Jato completará dez anos em meio a decisões do STF que revisam a operação, suspendem multas de acordos de leniência firmados com empresas, questionam provas e anulam condenações.

A percepção de que o STF incentiva a corrupção é maior entre os homens (79%) do que entre as mulheres (70%), e também é maior entre eleitores do ex-presidente Jair Bolsonaro em 2022 (85%) do que entre apoiadores do presidente Luiz Inácio Lula da Silva (68%).

A pesquisa também revela que 70% dos eleitores que dizem ter votado nulo em 2022 acreditam que o STF incentiva a corrupção ao reverter as decisões da Lava Jato. Essa percepção negativa sobre as decisões do STF supera o porcentual de entrevistados que acham que a Lava Jato ajudou a combater a corrupção no país, que é de 49%.

No universo de entrevistados, 15% acompanhavam de perto as notícias sobre a Lava Jato, 29% acompanhavam um pouco, 28% ouviam falar, mas não acompanhavam e 28% nunca acompanharam nada sobre o assunto. A pesquisa foi realizada entre os dias 25 e 27 de fevereiro deste ano, ouvindo presencialmente 2 mil pessoas, com margem de erro de 2,2 pontos percentuais e nível de confiança de 95%.

DECISÕES DO STF BENEFICIARAM ACUSADOS
Em fevereiro deste ano, o ministro Dias Toffoli suspendeu o pagamento das multas do acordo de leniência da antiga Odebrecht (atual Novonor) com o Ministério Público Federal (MPF), no âmbito da Operação Lava Jato.

Toffoli também beneficiou a J&F com uma decisão semelhante. Outros réus da Lava Jato também foram favorecidos por decisões do ministro, como o ex-governador do Paraná, Beto Richa, o ex-senador de Alagoas Fernando Collor e o ex-governador do Rio Sérgio Cabral.

O presidente Lula também foi beneficiado pelo STF, que anulou as condenações do petista no âmbito da operação em 2021, abrindo caminho para sua eleição em 2022.

Por: Leiliane Lopes

COMPARTILHE ESSA NOTÍCIA:

Facebook
Twitter
LinkedIn